Etiquetas

Alemanha (1) banca (5) Brasil (13) cavaco (3) China (1) cimpor (5) cinema (1) corporate governance (2) corrupção (1) crise (27) cultura (2) economia (34) energias (2) esquerda (2) estado (2) EURO (24) europa (15) FED (2) gestão (1) investimento (1) Irlanda (1) Israel (1) lingua (3) literatura (2) lula (1) madeira (2) mercados (23) merkel (3) orçamento (2) passos coelho (3) PEC (3) politica (31) política internacional (4) porto (1) Portugal (18) psd (12) Rússia (1) salazar (2) sócrates (4) trading (1)

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017



"A DERROTA DO 25 DE ABRIL"
QUEM ESCREVEU?

Este livro, Alvorada Desfeita, um romance, que é o melhor exercício de historia virtual alguma vez feito em Portugal, é de um autor desconhecido.
O livro parte da suposição de que a seguir ao golpe das Caldas, Marcelo Caetano demite o ministro da Defesa e nomeia para o cargo um jovem professor universitario. Na sequencia disso, o MFA é derrotado no dia 25 e Caetano é substituido por um Kaulza já federalista, e depois por Franco Nogueira. Tudo isto entremeado com um romance entre o ministro e uma jovem intelectual de esquerda que o vai traíndo.
Portugal não tem tradição de historia virtual, a tal do "E se ...?", é pena, porque ela ajuda a pensar não só a historia como o futuro. Assim, também é pena que não exista um exercício de sinal contrario, do tipo " e se Otelo tivesse vencido?", já agora com o mesmo nível de qualidade política, e literaria.
Embora tenha uma parte militar bastante detalhada, o romance é muito interessante, não apenas pela parte política mas também pelas considerações de ordem cultural.
Editado em 2010, o livro passou quase despercebido, o facto de ser filho de pai incógnito terá contribuído para isso.
Porque é que o autor nunca assumiu esta sua obra?
Trata-se de alguém que conhecia bem o antigo regime por dentro, alguém que escreve bem, que tem um elevado nível cultural e um espírito aberto, porque se esconde?
Os nomes óbvios que têm sido referidos não fazem sentido, nenhum deles teria razões para esconder este "filho".
Então quem? Tenho as minhas suspeitas, mas apenas isso, sem qualquer indício concreto, para além da análise do texto e dos agentes políticos portugueses. Será ele?

Sem comentários:

Enviar um comentário