Etiquetas

Alemanha (1) banca (5) Brasil (13) cavaco (3) China (1) cimpor (5) cinema (1) corporate governance (2) corrupção (1) crise (27) cultura (2) economia (34) energias (2) esquerda (2) estado (2) EURO (24) europa (15) FED (2) gestão (1) investimento (1) Irlanda (1) Israel (1) lingua (3) literatura (2) lula (1) madeira (2) mercados (23) merkel (3) orçamento (2) passos coelho (3) PEC (3) politica (31) política internacional (4) porto (1) Portugal (18) psd (12) Rússia (1) salazar (2) sócrates (4) trading (1)

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017



DA ESQUERDA À DIREITA
UM RUÍDO ENSURDECEDOR

A esquerda, depois de ter feito tudo errado e deixado Trump chegar ao poder, continua a esbracejar e a repetir os mesmos erros.
Na verdade nem sequer compreendeu o que se passou, por isso não pode compreender o que aí vem, nem o que fazer.
Ter como única estrategia, face aos perigos de Trump, não lhe dar um minuto de descanso, seria bom caso soubesse o que fazer, mas quando não se sabe, esse caminho só conduzirá ao desgaste das hostes e ao fortalecimento do inimigo, cujas bases assistem atónitas a espectaculos de "pussies", para elas degradantes, e assim reforçam a sua crença no novo redentor.
Não é que Trump não seja potencialmente muito perigoso, é exactamente por o ser que não podem ser dados tiros nos pés.
A direita festeja, também ela não sabe o quê.
Festeja sobretudo porque a esquerda está assustada, porque a esquerda foi humilhada e está revoltada, e isso já é suficiente para que a direita comemore.
Comemora-se, talvez com prazer especial, a morte do políticamente correcto, mesmo sem se saber o preço que será pago por isso.
Caso estivesse iminente o rebentar de uma bomba sobre todos nós, essa direita seria também capaz de festejar a morte da esquerda, mesmo morrendo também com ela.
No meio deste ruído todo, não são apenas os habituais primarios, mais ou menos trogloditas, de um lado e de outro, que gritam coisas desconexas e contraditorias, a surpresa é que há gente que pensa bem, envolvida no mesmo turbilhão acéfalo e ruídoso. O pensamento foi suspenso, agora é tempo de combate.
A coerencia e a lógica morreram, o primarismo e todos os ódios estão à solta.
Por entre tudo isto, o centro não comprometido, assiste atónito.
Também ele nada compreende, apenas espera.
Enquanto isso os outros dois lados, cada dia mais radicalizados, querem eliminá-lo, não é tempo para ter gente em cima do muro, a escolha vai ser obrigatoria, todos terão de megulhar de cabeça num desconhecido qualquer.
O silencio e a espera são apenas cobardia, por isso eles são dupla traição, e portanto duplamente criminosos.
Durará isto apenas até que, as muitas e diversas bílis descarreguem os seus venenos, ou vamos mesmo viver tempos perigosos?

Sem comentários:

Enviar um comentário