Etiquetas

Alemanha (1) banca (5) Brasil (13) cavaco (3) China (1) cimpor (5) cinema (1) corporate governance (2) corrupção (1) crise (27) cultura (2) economia (34) energias (2) esquerda (2) estado (2) EURO (24) europa (15) FED (2) gestão (1) investimento (1) Irlanda (1) Israel (1) lingua (3) literatura (2) lula (1) madeira (2) mercados (23) merkel (3) orçamento (2) passos coelho (3) PEC (3) politica (31) política internacional (4) porto (1) Portugal (18) psd (12) Rússia (1) salazar (2) sócrates (4) trading (1)

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017




O ERRO DE CENTENO

Eu digo o erro e não os erros, porque toda esta trapalhada parte apenas de um único erro.
Esse erro foi Centeno ter-se esquecido de que não é um político, não sei se virá a sê-lo, ou até se o quererá, mas na verdade não o é.
Todos os políticos têm de ser bons na "baixa política", nas pequenas mentiras, na intriga, no teatro, etc Depois há a Politica com P grande que é indispensável aos mestres, mas isso não está aqui em causa agora.
Embora Centeno não seja um politico, ultimamente começou já a fazer algumas pequenas intervenções de baixa política, que não devia ter feito, porque por essa via se foi sentindo político, e foi isso que o perdeu, isso e, claro, as estrategias recomendadas por assessores e colegas sobre a melhor forma de descalçar esta incomoda bota.
Mas o que seria a melhor forma para um político não o é para um não-politico.
Se Centeno tivesse, logo no inicio, posto a sua cara de ingénuo, e tivesse dito, que o que ele queria era apenas a melhor solução possível para um dos maiores problemas do país, e que os especialistas lhe tinham dito que as exigencias de Domingues eram exequíveis, pelo que ele, que não é jurista, se tinha comprometido com ele.
Diria também que afinal as coisas não eram bem como lhe tinham dito e por isso pedia desculpa ao indigitado e ao país.
Tudo simples e compreensivel, como o cidadão Centeno teria feito se não se julgasse político.
Ser meio-político não é possível, diria mesmo que é suicidio, o que espero não seja o caso.

Sem comentários:

Enviar um comentário